Diário da Diva

Dia dos Namorados: viajando em dupla.

Dia dos Namorados: viajando em dupla.

Fury road
Em dupla….na estrada! Não basta ser namorado, tem que ser parcêro!

Como você já deve saber não estou viajando sozinha, estou viajando com o Edu. O que torna essa uma viagem em dupla. E isso tem seus prós e contras, como qualquer outra coisa. rs

Então, vou contar um pouquinho do que aprendi até agora viajando em dupla. Quem sabe possa ajudar você aí que tá pensando se faz aquela viagem sozinha(o) ou com alguém. 😉

24h por dia…7 dias por semana.

Namorado e convívio
O dia todo, todos os dias.

Pois é, desde o dia 18 de Agosto eu e Edu convivemos 24h por dia! Tivemos dois pequenos “intervalos” em que ele viajou com a mãe e depois eu com meus pais e minha irmã. Fora isso (que somando tudo não forma nem 20 dias) a gente tá aí, acordando e indo dormir junto todo dia e passando o intervalo entre essas duas ações juntos. rs

Contabilizando são 6720 horas de voo até agora! rs Quando mudei pra casa dele tinha saído do emprego, então já ficava só em casa. Acabei rejeitando uma oferta de trabalho pra tentar administrar os freelances e manter algo pra fazer durante a viagem. O Edu trabalha remotamente, então já começamos ali a convivência.

Morar junto é um ótimo jeito pra você descobrir como é alguém: as manias, as bobeiras, o humor matinal…rs
Mas viajar leva um pouco essa “descoberta” pra outro nível. E acho que isso é porque você sai da sua zona de conforto e passa por várias questões que estando no dia a dia não passaria. Aí é que vem uma prova de fogo do relacionamento…rs Ainda mais porque eu e Edu nos conhecíamos fazia pouquíssimo tempo quando saímos pra essa jornada. hihihi

O lado legal da viajar em dupla

Dupla na estrada
– Partiu?
– É nóix!

Bem, o lado óbvio não preciso nem comentar, né? rs Fora isso, existe o fato de você poder dividir as tarefas da viagem e ter alguém com quem compartilhar as angústias e as diversões que só a viagem proporciona.

Apesar do que se pode imaginar, viajar como estamos fazendo não é oba-oba o tempo todo e no fim você cai numa rotina. Claro, que é uma rotina em locais diferentes e isso traz outras questões. Mas se antes pensávamos o que íamos almoçar, onde a gente ia tomar a cerveja da sexta-feira, ou o que fazer no feriado e que filme assistir no cinema…agora temos a rotina de: onde vamos nos hospedar, por quanto tempo ficar, como chegar lá…e isso acaba virando a nossa nova rotina. Somada a ela ainda existem as questões do dia a dia de o que almoçar etc…

Não sentamos antes da viagem para definir o que seria responsabilidade de cada um na viagem. Na verdade os dois são responsáveis pela viagem, mas naturalmente cada um ficou cuidando do que tem mais “talento”…rs Por exemplo, hospedagem é por minha conta. Na prática já vimos que escolho melhor. Mas, desenvolvi esse “talento” porque o Edu cuida mais do que vai entrar de dinheiro na viagem. Ele já trabalhava remotamente bem antes da viagem então ele consegue botar mais dinheiro na viagem do que eu.

Em compensação, eu gerencio o que sai (ele ganha e eu gasto…hehehe) e controlo os orçamentos de hospedagem, transporte, alimentação (quero até fazer um post só sobre isso mais pra frente).

E isso é só uma parte ampla. Mas o legal de viajar em dupla (nesse caso pode ser namorado(a), amigo(a) ou parente) é poder dividir essas responsabilidades, assim não fica pesado e estressante só para uma pessoa. E acredite, viajar é sensacional, mas isso não quer dizer que você não vai ter preocupações e estresse.

O lado não tão legal de viajar em dupla

Convivendo com o namorado
Oops….!!

Como eu disse, a viagem é uma ótima forma de descobrir como é a outra pessoa (e como é você também). Nessa viagem, apesar do pouco tempo, já deu pra ver que eu e Edu convivemos bem. Mas isso não quer dizer que não temos as nossas diferenças porque temos várias (não tantas, mas algumas). rs

Algumas coisas que são engraçadas e hoje vejo que são pequenas bobagens…meu senso de direção não é o melhor do mundo, mas eu tenho uma boa memória fotográfica e sempre que saio (sozinha ou com ele) gravo alguns pontos de referência pra poder me localizar depois. Ao longo da viagem tivemos pequenas discussões em alguns momentos em que ele cismava que o caminho era prum lado e eu pro outro…eu estava certa algumas vezes e ele outras. Hoje em dia a gente já leva mais de boa (e nos perdemos de vez enquando).

Nosso gosto musical é completamente diferente. Gosto de algumas músicas que ele escuta e várias vezes ouvimos juntos, mas não é o estilo que gosto de ouvir sempre. Então quando saio pra me exercitar ou estou trabalhando no computador, escuto as minhas músicas de boas e ele as dele. E convivemos bem assim.

A questão é, aquela picuinha ou briguinha às vezes não tem o intervalo de suas 8h de trabalho na rua para ser digerida e esquecida. Então o lado não tão legal é que você precisa estar constantemente analisando e entendendo o que é só uma pequena diferença e o que realmente é algo que te incomoda. Você vai acordar e talvez a outra pessoa está mal humorada e você não vai tomar café e sair de casa pra trabalhar…você vai conviver com aquele humor até a hora do almoço talvez…rs

Isso é só um exemplo de que durante a viagem você vai descobrir coisas em que vocês são diferentes e aí é só se ajustarem. =) E se for algo maior que realmente está atrapalhando o convívio, é questão de conversar. Não me entenda mal, não estou dizendo que é mudar e virar alguém que você não é, na viagem não dá muito pra você esconder o “verdadeiro” você…uma hora ou outra vai aparecer então é bom que vocês estejam confortáveis com as manias e a personalidade do outro.

Vivendo, viajando e aprendendo

Aprendendo
Hum…olha só…

Acho que um dos “aprendizados” desses meses de viagem e convivência é que mesmo viajando junto, você não deve esperar que a outra pessoa queira fazer tudo que você está querendo (e vice-versa) e nesse sentido é bom estar junto, mas se manter independente.

Um exemplo besta: eu gosto de filmes de super-heróis e Edu não curte. Ele viu um comigo durante a viagem (Batman Vs. Superman), nos outros ele disse que não tava afim…eu ia deixar de ver por conta disso? Nem um pouco…rs Fui no cinema (vi “Deadpool” e Guerra Civil…e valeu cada minuto. Agora estou pensando se vale assistir “X-Men: Apocalipse) e depois nos encontramos.

Não consigo me ver mais caindo naquele clichê que “o amor supera todas as barreiras”, é óbvio que precisa você amar a outra pessoa, mas nesse tipo de convívio algo que conta muito é a parceria. Se a outra pessoa não for sua parceria e estar firme e forte nos maus momentos e te apoiar nas coisas que você gosta e ela não (e quando digo apoiar nem sempre quer dizer “vou junto”, às vezes quer dizer “não deixa de fazer por minha causa, vai sossegada(o) que a gente se encontra na volta”)…é capaz da relação não avançar muito bem.

Tem coisas que a outra pessoa não vai dividir com você e tem coisas mais importantes que você vai descobrir que divide com ele(a). Por exemplo, durante a viagem a gente descobriu que acha lindo essa coisa toda de natureza, praia e tal…mas na verdade a gente curte muito mais a parte urbana. Então já estamos na ansiedade pra chegar em Lima. rs Ao mesmo tempos tem cidade que eu gostei e o Edu não, e vice-versa.

Pra mim isso é um lado bacana de viajar em dupla, ir descobrindo juntos as coisas que realmente importam e ir ajustando as pequenas diferenças, além de poder enfrentar junto os perrengues.  Se vocês sobrevivem aos perrengues, o que vier depois é mais tranquilo. rs

Acho que em resumo é isso…viajar é uma grande descoberta: de lugares, de comidas, de pessoas novas e daquele que está ali do seu lado todos os dias. O que eu descobri até agora está sendo bem interessante e divertido. =)

Ainda temos muito pela frente (na verdade esse é o primeiro Dia dos Namorados juntos…rs) e sei que vamos passar por coisas muito divertidas e coisas muito chatas juntos. E isso é o lado interessante quando você vai descobrindo a outra pessoa…se você sabe que pode passar por tempos ruins (por exemplo ser assaltado na estrada, ou enfrentar um frio inesperado e insuportável) e se vê passando por essas turbulências com aquela pessoa, então você está no caminho certo, né?

Parabéns a todos que estão em duplas, trios (se todos estiverem sabendo e de acordo, claro) ou solo. Curtam o domingo e se você está pensando em viajar com aquela pessoa especial: se joga! Hoje vejo que vale o risco.

p.s.: Até pensei em ilustrar esse post com uma foto da dupla (eu e Edu), mas a verdade é que a gente não curte muito sair em foto…então ou tenho foto que eu tiro dele sem ele perceber, ou vice-versa….hahaha

UM
“UM”

 

Classificação

0 média baseada em 0 ratings

  • Excelente
    0
  • Muito Bom
    0
  • Médio
    0
  • Fraco
    0
  • Péssimo
    0

Margot

Quando minha vida saiu dos trilhos percebi que podia ir pra qualquer lugar. Virei mochileira depois dos 30 e criei o blog pra contar sobre essa aventura.

02 Comments

  1. Yriz Soares

    Ahhh l’amour!!!

    7 de julho de 2016 Responder

LEAVE A COMMENT

Diva De Mochila

No Diva de Mochila você acompanha a viagem de volta ao mundo de uma carioca-paulista que virou mochileira depois dos 30. Bem-vindo (a) ao blog!

No instagram

%d blogueiros gostam disto: