Máncora, o melhor destino de praia da América do Sul
Peru

Máncora, o melhor destino de praia da América do Sul

Rating Chart

5 average based on 1 ratings

  • Excellent
    1
  • Very Good
    0
  • Average
    0
  • Poor
    0
  • Terrible
    0

Máncora, eleita a praia mais bonita da América do Sul

Máncora é uma cidade localizada ao norte do Peru e em 2016 ganhou o World Travel Awards na categora de melhor destino de praia da América do Sul! o.O

Mas nem foi por isso que escolhemos esse destino. Estávamos num ritmo bem agitado antes de chegar em Máncora. Passamos por Cusco, Arequipa e ainda fizemos o passeio pelas linhas de Nasca. Então precisávamos de um lugar para descansar. E eis que surgiu a ideia de ir para Máncora.

Então, quando terminamos o passeio de Nasca, corremos pro terminal da Cruz del Sur e pegamos um ônibus para Lima. De lá nós pegaríamos um outro ônibus para Máncora. Veja bem, a gente estava no sul do país e ia pro norte, quase na fronteira com o Equador….então você já deve imaginar que o trajeto foi longo, né?

Acabamos dormindo em Lima por uma noite. Ficamos num Ibis perto do Malecón e antes de nos desperdimos de vez da cidade, tomamos um emoliente com pisco, porque né…depois de umas boas horas de estrada, merecíamos um regalo.

Ida e chegada em Máncora

Acordamos cedo e partimos pra Máncora. O começo da estrada para lá pega um trecho enorme que passa por uma espécie de desfiladeiro onde lá embaixo se vê o mar. Com diversas curvas e o ônibus indo a toda, dá até um medinho desse trecho, mas ao mesmo tempo…é uma paisagem muito diferente pra se ver da janela. Até agora não decidi se gostei ou não, mas estou mais inclinada ao “gostei”.

Foram 18 horas de viagem…não, você não leu errado foram D-E-Z-O-I-T-O horas de Lima até lá!! Em termos de distância achávamos que seria menos tempo, mas a questão é que as estradas do Peru são todas sinuosas e nada prática. Sabe quando você estuda na escolar que a menor distância entre dois pontos é uma reta? Então, não no Peru. Rs

Claro, acho que em alguns casos a geografia do país acaba determinando esses desvios, mas na ida pra Máncora não era isso. Inclusive tinha a PanAmericana passando mais pra dentro. Não entendi muito o porquê deles demorarem tanto.

Esse trecho da viagem nós fizemos pela Civa. Devo dizer que o Peru em termos de busão é um outro nível, viu? O melhor ônibus que peguei no Brasil foi uma leito-cama de São Paulo para o Rio. O nome é auto-explicativo…ele é realmente uma cama, pois inclina quase que 180°.

Pois bem, essa viação Civa é profissa! Eles têm ônibus com três categorias diferentes: Econociva, Superciva e Excluciva.

A Econociva é o nosso velhor conhecido assento tradicional econômico de busão. Ele reclina 140° mas parece ser bem confortável em termos de encosto para a cabeça . Já o Superciva seria o nosso semi-leito. Ele inclina 160° e fica no primeiro piso do ônibus.

Ah sim, quase todos os ônibus da Civa são de dois andares. E aí, meus amigos, existe o Excluciva que é a Ferrari das poltronas de busão. Ela inclina 180° (como o nosso leito-cama aí no Brasil), mas além de ter mais privacidade pela parede mais alta que divide as poltronas, ela tem um centro de entretenimento exclusivo. Em termos práticos, sua TV individual.

Tanto o Superciva, quanto o Exclusiva têm serviço de bordo. Eu cheguei a falar desse serviço no post de Puno, mas só para relembrar é o serviço de janta que eles oferecem. E quem cuida disse é um(a) busomoço(a).

Bem, não existe ônibus direto de Lima para Máncora, então o que fizemos foi pegar um que ia para Tumbes e descemos em Máncora. Nós compramos o Excluciva, mas como era no primeiro piso, não tinha a TV individual, mas tudo bem. O que importa mesmo é dormer bem. Custou 180 soles por bunda.

Foram 18h de viagem, então jantamos e tomamos café da manhã no busão. Nesse quem cuidava do serviço de bordo era um homem. Super simpático. Ele perguntou de onde a gente era e quando falamos que era do Brasil ficou todo animado, perguntando várias coisas.

Quando fui ao banheiro e cruzei com ele, ele fez questão de falar “Obrigado” e perguntou outras coisas que podia aprender em português. =)

Ele só vacilou de não ter avisado a gente um pouco antes que estávamos chegando em Máncora. Tivemos que levanter correndo pra descer do busão, senão o motorista ia seguir viagem e a gente ia parar em Tumbes…hahaha

Mesmo sem as TV individuais, no primeiro piso tinham algumas TVs coletivas. E pelo amor dos incas, passou os mesmo filmes que já tínhamos visto em outros ônibus. Um deles foi o filme mais chato que vi até agora nessa viagem. É a história de um cara (Will Ferrel) casado com uma mulher que tem dois filhos de outro homem. Aí esse outro homem (Mark Wahlberg) chega pra rever os filhos.

O Will Ferrell estava começando a se dar bem com as crianças e o Mark Wahlberg meio que estraga tudo, toca o terror…aquelas coisas. No fim tudo se resolve bem e rola uma batalha de dança no baile da filha deles. Ver pela primeira vez, ok…passa o tempo e tudo mais. Mas até agora esse filme já rolou 5 vezes nos busões da viagem…hahaha

Enfim, momento desabafo. Se quiser ver o filme, o nome em inglês é Daddy’s Home. Não lembro como traduziram pro espanhol…

Bem, chegamos em Máncora bem de manhã e te digo que o ônibus ajudou muito a viagem não ter sido mais cansativa. Então fica a dica: não tenha pena de gastar um pouco mais nos ônibus peruanos. Vai garantir uma viagem menos estressante e cansativa.

Um casa de frente pra praia

Ficamos uma semana na cidade. E para relaxar, procurei um Airbnb numa área que li ser bacana. Achei um lugar que parecia muito de boas e com toda estrutura que precisávamos: wi-fi, cama king size pra se acabar de dormir e cozinha.

Tinha avisado pra dona da casa o horário que chegaríamos de manhã e ela disse que ia pedir para o Pancho, um homem de confiança dela, ir nos buscar.

Não existe rodoviária na cidade. O que existem são os postos de compra das viações (Civa, Cruz del Sur etc) e os ônibus param ali mesmo. O que é mais louco ainda é que a parte principal da cidade é cortada pela PanAmareicana. A principal rua da ciadde é uma rodovia!!! E com as chegadas de ônibus, mais os caminhões que trafegam, mais os carros, mais as tuk-tuks…é um caos! Rs

Bem, nós descemos no posto da Civa e ficamos esperando. Mas como o homem não aparecia, fomos caçar um lugar com wi-fi pra que eu pudesse mandar uma mensagem pra dona da casa. Conseguimos por fim avisar que já tínhamos chegado e depois de um tempo o Pancho chegou na sua tuk-tuk e lá fomos nós.

Máncora é uma cidade pequena com um centro onde você têm as viações, uma feira de artesanato na praça principal e bares e restaurantes. Bem clima cidade praiana, mermão. E saindo desse centro caindo pra uma estrada ao lado da PanAmericana, seguimos até Las Pocitas que é essa parte mais afastada que pega um lado da praia da região.

Eu achei que era mais perto do centro, mas é bem mais afastado. Pelo caminho passamos por diversas pousadas e alguns restaurantes. Depois de um tempo, chegamos ao lugar onde ficaríamos. Era um grande terreno onde a dona construiu algumas casas, em forma de escada. Uma estava mais abaixo, aí era só subir um lance de escadas e dava pra chegar na casa que ficava mais no topo.

Nós ficamos na primeira casa, a que ficava mais embaixo. Mas de qualquer forma, ela ficava no alto. Com um varanda enorme a vista era incrível. Pena que mais da metade do dia não dava pra ficar na varanda por conta do calor. Mas a noite o céu era incrível.

A casa ficava praticamente de frente pra praia. Era só descer o terreno, sair do portão, atravessar a rua e já estávamos na areia. Sensacional!!! E sério, pelo preço estava perfeito. Saiu por R$135 a diária. Um pouco acima da minha meta, mas como era pra descansar e relaxar, valeu muito a pena.

A casa é bem construída, mas modesta. Com mesa de plástico, alguns sofás mais gastos…típica casa de veraneio, sabe? Pra mim estava perfeita! O vento que vinha de fora era muito agradável, a vista era incrível, a internet funcionava perfeitamente e a cama era muito confortável. Voltaria a me hospedar lá com certeza.

E não era só o vento gostoso de praia que entrava pela varanda. Um dia estava eu lá de boas no sofa lendo, quando de repente vejo um ser entrando pela porta…era uma gata. Entrou, sentou no meio da sala, deu uma olhada pra mim…aí veio chegando perto, fazendo dengo…rs

Uma figura. Folgada de tudo…hahaha Perguntei pra dona se ela sabia de quem era a gata e ela disse que era de lá mesmo, mas que se nós quiséssemos ela poeria tramcar a bichinha em casa. Mas que nada, a gente se divertiu horrores com a Bela. Ela aparecia todo dia.

De vez enquando tirava um cochilo com a gente na sala, outras horas se enfiava debaixo do forro do sofá pra brincar, outras vezes subia no muro que dividia a cozinha da sala…rs

Foi bacana. Eu adoro bicho e isso fez os nossos dias em Máncora serem ainda melhores. Olha só a pose da figura:

Bela, a gata folgada.
Bela, a gata folgada.

O dia a dia em Máncora

Como eu disse a parte em que ficamos era mais afastada do centro. Mesmo assim não deixamos de ir lá várias vezes. O Poncho cobrava 5 soles para nos levar. Mas como gostamos de andar, diversas vezes seguimos pra lá a pé. Bota chão nisso aí! Rs

Onde nós estávamos não tinha mercado. Descobrimos que no centro, mais para o final, existe um grande mercado…que na verdade era um espaço fechado com diversas barracas de feira. Frutas, legumes, carnes e alguns eram itens de mercearia (arroz, leite etc).

Fiz a minha listinha e lá fomos nós fazer as compras pra passer a semana. Algumas coisas achei meio caro. Por exemplo, comprei creme de leite e leite condensado pra fazer um mousse-sorvete de morango…tava quase R$7 a caixa.

Mas em compensação verduras e carnes eram bem em conta. Nem preciso dizer que estava num lugar de praia e comprei o que? PEIXE! Hahaha E camarão. Fiz um ceviche que ficou sensacional. Comprei também uns chips de banana pra acompanhar e combinou perfeitamente.

Me senti a Master Chef…rs

Em algumas noites resolvemos sair para desbravar a região em que estávamos. Como viajamos pra lá em baixa temporada, a maioria das coisas estava fechada. Fomos em um restaurante que ficava dentro de uma pousada…estava ok, mas nada muito impactante.

Acabei comprando poucas coisas na primeira vez que fui no tal mercado-feira. Daí que voltei outro dia…só que dessa vez fui a pé até lá. Ir até o centro era todo o exercício que eu fazia por lá…rs

Em outro dia eu e Edu demos uma volta até o centro pra ver com calma o que tinha por lá. A feira de artesanato não têm nada demais. Muitas coisas bem mais ou menos. Só uma barraquinha me chamou atenção e era de um chileno. Rs Ele fazia umas peças bem bonitas (brincos, colares, anéis etc). Comprei um brinco, enviei pro Brasil…mas foi extraviado. =/

Olha só a lindeza que foi perdida pela DHL:

Brincos de Máncora
Brincos de Máncora

Nesse mesmo dia, tomamos um café numa cafeteria super charmosinha quase em frente a praça principal. O lugar chama “Monkeys” e dá pra ficar sentado na janela que dá pra rua pra ficar vendo o movimento das tuk-tuks e a muvuca do trânsito…rs

Enfim, o melhor destino de praia da América do Sul

Máncora
A praia mais bonita da América do Sul, segundo o World Travel Awards.

Máncora está banhada pelo Oceano Pacífico. O que isso significa na verdade? Que a água de lá é muito, muito, muito fria! Hahaha

O que é mais incrível na praia de Máncora é que você anda e de um lado tem o mar e de outro…o deserto! É a paisagem de praia mais diferente que já vi na vida. A praia tem uma boa faixa de areia e venta bem. Quando entrei no mar, vi que tem várias pedras onde as ondam batem de forma leve e ritmada, ou seja, não é uma praia muito violenta. E dava pé até bem longe.

A água estava gelada quase como uma cachoeira. E isso não é uma ofensa não, viu? Quando entrei deu aquele “burrrr”….mas depois de uns minutos nem estava sentindo mais. Só na hora de sair que foi tenso.

Dei lá minha singelas braçadas, fiquei um pouco em cima das pedras deixando a água bater….adorei a praia! E como estavámos em baixa temporada, estava bem vazia. Edu amarelou e não entrou no mar….rs

Em outro dia voltamos a tarde para passear pela orla. Saí com a máquina e fomos andando sem rumo. Os dois lados da praia são bacanas, tanto o que está em direção ao centro quanto o oposto. Mas se você andar muito pro lado onde está o centro, vai cair na parte dos pescadores.

Em algum ponto da praia um cachorro cismou com a gente do nada e foi nos seguindo por um tempão. Máncora foi o lugar dos bichanos…rs

Tentamos tomar uma cerveja em algum lugar, mas todos os bares eram das pousadas e ninguém estava muito disposto a nos atender. Só isso achei um pouco chato.

No nosso último dia voltamos ao bar onde tomamos uns bons chilcanos e nos despedimos de Máncora. Não conheço praias suficientes pra saber se Máncora é o melhor destino de praia da América do Sul, mas posso dizer que me apaixonei por lá. Está no meu top 5 de praias da viagem…que por sinal, taí…vou fazer um post TOP 5 de praias da viagem até agora. Aguarde. <3

E essa foi nossa última parada no Peru. De lá seguimos para desbravar o Equador.

Próxima parada: Guayaquil.

Cidade histórica

Shopping

Dicas

Photos

    Margot

    Quando minha vida saiu dos trilhos percebi que podia ir pra qualquer lugar. Virei mochileira depois dos 30 e criei o blog pra contar sobre essa aventura.

    You Recently Viewed ...

    Machu Picchu

    Machu Picchu: confira as restrições para visitar o parque a partir de julho

    De trem até Puno

    Nos trilhos dos Andes

    As linhas de Nasca

    Arequipa, ao pé do vulcão

    Arequipa, a cidade no pé do vulcão

    Ilhas Flutuantes de Puno

    Ilhas Flutuantes do Lago Titicaca no Peru

    LEAVE A COMMENT

    DivaDeMochila

    No Diva de Mochila você acompanha a viagem de volta ao mundo de uma carioca-paulista que virou mochileira depois dos 30. Bem-vindo (a) ao blog!

    Lá no Instagram

    %d blogueiros gostam disto: