Cartagena: o charme e as desventuras da cidade colombiana.
Colômbia Cidade histórica

Cartagena: o charme e as desventuras da cidade colombiana.

Cartagena das Índias e suas muitas facetas

Cartagena das Índias, ou só Cartagena para os mais chegados, é uma das primeiras cidades que deve vir a sua cabeça quando se fala em Colômbia. Certo? Não é pra menos, A cidade é banhada pelo Mar das Caraíbas e é a mistura perfeita entre cultura e belas praias.

Nós ficamos 1 mês e 15 dias por lá. Por que tanto tempo? Ah, a gente gostou de lá (Edu já conhecia) e estávamos com bastante trabalho, então parecia um bom lugar para se gastar mais tempo.

Mas Cartagena não foi fácil não, teve muito agito e reviravoltas! Então pega sua bicicleta (já, já você vai entender essa referência) e vem comigo conhecer a cidade.

Um pouco da história de Cartagena

Cartagena das Índias é a quinta maior cidade da Colômbia. A cidade é de 1533 e tem, claro, a forte influência espanhola tanto que o nome é uma homenagem/referência a cidade espanhola. Como os espanhóis chegaram por lá achando que tinha chegado na Índia…voilá! Deu-se o nome.

Na época colonial a cidade teve um papel fundamenta para a expansão espanhola no continente e serviu de sede do governo bem como casa dos vice-reis espanhóis.

E por isso um  dos principais atrativos de lá é a Cidade Murada. É lá que fica a parte antiga e histórica da cidade onde estão os principais prédios e construções da época colonial. O lugar é tão incrível que foi declarado em 1984 como Patrimônio Mundial pela UNESCO. E em 2007 ainda recebeu o título de  Quarta Maravilha da Colômbia.

Bandeira de Cartagena das Índias
Bandeira de Cartagena das Índias

Sou uma pessoa que gosta bastante de bandeira…essa aqui ao lado é a bandeira da cidade. Foi criada em 1811 pelo Estado Livre de Cartagena, ano da independência da cidade. Foi a primeira a se ver livre do domínio espanhol. Com ajuda do Bolívar, claro. Ele tá em T-O-D-A-S! rs

Perguntei aqui e ali e descobri que não existem documentos da época que digam de fato o significado dos elementos da bandeira, mas o que um senhor me contou é que o retângulo vermelho exterior simboliza o sangue dos patriotas, o amarelo simboliza o sol e por isso a liberdade, o verde por sua vez simboliza a esperança e a estrela branca do centro (de oito pontas) simboliza as oito províncias que formavam o Estado Livre de Cartagena.

Tá vendo, Diva não é só um rostinho bonito, viu? hahahaha

Como a cidade é uma cidade costeira, muito da sua economia vem do porto. Além disso, ela está banhada pelo mar do Caribe…ou seja, muitas ilhas bacanas e bonitas estão há um barco de distância.

A Cidade Murada de Cartagena das Índias

Como eu disse mais acima, o grande atrativo é a Cidade Murada. Lá é um dos lugares mais bacanas da cidade.

As construções são da época colonial, então todas as casas são baixas, bem coloridas, um charme só. Existem também as igrejas e outros prédios de destaque. A entrada da cidade fica na Torre do Relógio e a noite por lá é bem agitada.

Existem muitos restaurantes e bares bacanas na nessa parte da cidade e dá pra ficar hospedado por lá numa boa. Além disso, é possível passear por cima da muralha e em um dos seus cantos existem um restaurante onde a pedida é tomar uma cerveja e aproveitar o pôr do sol.

A Cidade Murada é toda plana e relativamente pequena, ou seja, dá pra fazer tudo a pé. Mesmo! Existem diversas charretes que fazem passeio pela cidade, mas não fiz. Fico vendo a cara dos cavalos e dá uma tristeza…

Pra mim os pontos de destaque, além da arquitetura, são as esculturas que têm espalhadas pelas ruas. Tem uma escultura do Botero intitulada “La Gorda Gertrudis” que fica na Plaza Santo Domingo.

Escultura La Gorda Gertrudis de Botero
Escultura La Gorda Gertrudis de Botero

Além dessa, existem onze esculturas de Edgard Carmosa espalhadas na Plaza San Pedro, em frente à Igreja homônima. Cada uma retratando cenas antigas do cotidiano da cidade: homens jogando xadrez, barbeiros, mulheres costurando, amoladores de facas entre outras.

Fiquei simplesmente apaixonada. <3

Plaza San Pedro em Cartagena Das Índias

Andar sem pressa e olhando para todos os detalhes é a melhor maneira de conhecer o Centro Histórico da cidade. Não tente fazer tudo de uma vez só, se puder, vale ficar uns 5 dias por lá conhecendo cada cantinho.

Existe uma rua que se chama “Calle de la Amargura” ela é a continuação da “Calle de Las Damas”…hahaha Achei injusto. As aldravas (aquelas peças que funcionavam como campanhia, sabe?) são um charme a parte do centro histórico e cada casa tem uma diferente…sensacional! Mas é o tipo de coisa que você vai conseguir apreciar com calma e tempo.

Existem muitas lojas eu uma parte do centro histórico, algumas de artesanato, outras de roupa (bem caras) e muitas, muitas joalherias com foco nas esmeraldas colombianas. Fucei em todas e achei tudo muuuuito caro. Acho que por ser uma cidade bem turística, é normal.

As cores estonteantes de Getsmaní

Outro lugar (obrigatório) de conhecer é o bairro Getsmaní. Ele fica bem próximo a essa parte principal do centro histórico, mas na parte de fora da Praça do Relógio. Dá pra ir a pé da Cidade Murada pra lá.

Esse é um dos bairros mais populares de lá e o queridinho dos mochileiros. Pelo menos foi a impressão que eu tive por lá. Isso porque existem muitos hostels por lá, que são mais baratos do que os hotéis que ficam dentro da Cidade Murada em si.

Então é normal ver bastante mochileiro pelas ruas do bairro. Já foi um local muito perigoso, mas hoje em dia está muito tranquilo. Lá é o bairro onde moravam as pessoas de classe mais baixa e pelo que pesquisei quando estávamos por lá, os moradores do bairro foram os primeiros a instigar o movimento de libertação da cidade.

Com o passar dos anos, após a independência de Cartagena, o bairro se tornou um local boêmio e com grande concentração de prostituição e tráfico de drogas. Nos últimos tempos isso têm mudado e o bairro têm atraído mais e mais turistas.

Além dos hostels, restaurantes e bares, o bairro respira arte. Além de mais algumas esculturas do Edgar Carmosa, existem diversos grafites espalhados pelos prédios e casas das ruas de Getsmaní. É sensacional!

Fiquei encantada com o bairro e fomos lá diversas vezes passear e comer. =)

O Castillo de San Felipe

Já começo dizendo que não me encantou muito o castelo. Essa é a maior obra militar dos espanhóis no Novo Mundo. Ele fica bem ao lado do bairro de Getsmaní.

Era um local para defesa do território e teve o seu papel em diversos momentos da história da cidade. Hoje é só o ponto turístico.

Acho que por ter a palavra “castillo” eu imaginava outra coisa…no fim é um forte com diversos túneis subterrâneos. Não há muito o que se ver. Como forte, gosto mais do de Macapá, confesso.

Você vai pagar 25 mil pesos para visitar, o sol é de lascar, está sempre cheio e o que é mais bacana é a vista de lá de cima. E é isso o que tenho para dizer sobre o Castillo de San Felipe. Confesso que me decepcionei, mas acontece.

Onde ficar em Cartagena das Índias

Bem, nós ficamos mais de um mês na cidade. Nos primeiros 15 dias, ficamos num Airbnb sensacional dentro da cidade murada. No final da nossa rua, umas 4 quadras de distância, tinha um supermercado Éxito e era lá que eu comprava tudo para o dia a dia.

Apesar do lugar ser super bacana, numa casa colonial com pático central e terraço, nós demos um certo azar. Uma bela noite estava eu assistindo um filminho de terror no Netflix, Edu já estava dormindo, e de repente um barulhão na rua.

A princípio pensei que eram aqueles caminhões jogando água pra lavar a rua, sabe? Parecia isso. Edu acabou acordando e foi no banheiro, daí o barulho era constante e não passava. Ele saiu de casa e foi pro pátio e volta correndo.

Era mó cheiro de gás!! Daí botamos uma roupa correndo e saímos de casa. Por fim, alguém tentou roubar a peça de medidor de gás da casa. Algum drogado que queria vender o cobre do cabo. A compania de gás apareceu uma hora depois, desligou tudo e aí voltamos a dormir.

Ficamos uns 8 dias sem gás, até a compania voltar e refazer tudo. Daí reparei que todas as casas tinha o medidor trancado por grade…acabou que o dono da casa em que estávamos fez o mesmo.

Daí, alguns dias depois o furacão Matthew estava passando “por perto” e uma tempestade chegou até Cartagena. Muita água, muita! Quando levantamos no meio da noite, PLOFT! A casa estava com água até o pé. Alagou e lá fomos nós ficar tirando água de madrugada…rs

Foram dois eventos de azar mesmo, a casa era muito agradável e apesar de estar a uma esquina de distância da Praça San Diego, era muito silencioso. O proprietário foi super justo. Ele nos devolveu parte do dinheiro pelos dias sem gás e nós acabamos encerrando a estadia mais cedo por conta do furacão. Ela também devolveu as diárias que faltavam.

De qualquer forma, eu achei a casa muito bacana. Fiquei triste desses motivos de força maior que nos levaram pra outro lugar.

E esse outro lugar foi o bairro El Laguito. Ele fica perto de um bairro bem procurado também que é Bocagrande. A parte da praia, mas é praia urbana não são as praias caribenhas. Nós acabamos indo para um apartamento no prédio El Conquistador, um predião com mais de 400 apartamentos.

O apartamento era bem bacana, mas o bairro em si não é o que eu diria ser o mais aconselhável para se hospedar não.

A praia era bem ali do lado, mas a praia é feia. Aquele areia dura e dominada por cadeiras e barracas que se você quiser usar, terá que pagar. Acabamos indo só mesmo na praia de Castillo Grande.

Tratados de Paz e o dia em que conheci Ravi Shankar

Foto da assinatura do tratado de paz em Cartagena
Assinatura do Tratado de Paz. À esquerda o presidente Santos e à direita Timochenko, o líder das Farc.

Colômbia foi um país com muitos acontecimentos para o futuro livro Diva Forrest Gump…rs

Nós estávamos em Cartagena quando aconteceu a cerimônia do Tratado de Paz do presidente Santos com as Farc. O evento foi no centro de convenções bem ao lado da cidade murada. Mas era fechado só pra convidados e infelizmente não me convidaram…rs

Mas assistimos pela TV em um restaurante e foi bem emocionante. As pessoas emocionadas chorando, aplaudindo…fizeram um minuto de silêncio.

Na noite anterior a assinatura do tratado, estávamos na praça ao lado de casa e de repente uma aglomeração de pessoas em torno de um quadro e de uma pessoa. Daí chegamos lá pra ver o que tava rolando e era o Ravi Shankar, o guru indiano que participou ativamente no processo do tratado de paz. Ele estava hospedado no hotel mais chique (e caro) da cidade…

Como estávamos saindo pra jantar, nem estava de câmera, então esse momento vai ficar só na minha memória. Mas muitos, muitos outros momentos estão registrados na galeria aqui embaixo.

E essa foi nossa passagem por Cartagena das Índias. Um lugar incrível que conquistou meu coraçãozinho cariopaulista. rs

Depois farei alguns posts específicos de dicas de onde comer e beber por lá. 😉 Gostou do post? Então ajuda o Diva e compartilha com seus amigos, quanto mais gente, melhor! \o/

Próxima parada: Barranquilla, a cidade da Shakira.

Classificação

4.4 média baseada em 7 ratings

  • Excelente
    3
  • Muito Bom
    4
  • Médio
    0
  • Fraco
    0
  • Péssimo
    0

Margot

Quando minha vida saiu dos trilhos percebi que podia ir pra qualquer lugar. Virei mochileira depois dos 30 e criei o blog pra contar sobre essa aventura.

LEAVE A COMMENT

Diva De Mochila

No Diva de Mochila você acompanha a viagem de volta ao mundo de uma carioca-paulista que virou mochileira depois dos 30. Bem-vindo (a) ao blog!

No instagram

%d blogueiros gostam disto: