Nova York, eu te amo!

Nova York: um mês na cidade mais cosmopolita do mundo.

Estátua da Liberdade em Manhattan

Nova York é daquelas cidades que você conhece mesmo sem ter visitado. Afinal, o que tem de filme e série que se passa por lá..vixe! E na década de 90 tinha uma série que fazia muito sucesso: Sex And The City.

Se você é nova e não conhece, a série contava a história de quatro amigas que viviam em Manhattan. A protagonista era chaaaaata a beça, mas as roupas e os lugares…o estilo de vida como um todo, conquistou uma galera. Eu, inclusive.

Acho que por isso quando fui a São Paulo gostei tanto de lá, o clima me fazia lembrar o da Nova York que eu via na série. Daí você imagina como eu tava na expectativa pra chegar lá, né? =)

E foi sensacional! Diferente do que eu esperava… mas acho que ninguém está preparado para quando conhece a cidade pela primeira vez. Então, bora nós que é hora de contar como foi a passagem (de um mês) pela Big Apple.

A Nova York da TV e a NY da vida real

Sara Jessica Parker em Sex And the City

São duas cidades: a que a gente vê na TV e filmes e a que a gente conhece na prática. Na verdade Nova York parece muito familiar e pra mim por dois os motivos: me fez lembrar muito de São Paulo e é uma das cidades a que mais estamos expostos seja através da indústria do cinema ou pela mídia.

Além disso, há uma grande questão. As pessoas dizem que querem ir a NY, mas geralmente estão se referindo a Manhattan, que é a ilha. Existem todo um universo fora da ilha que é interessante e pouco explorado.

Pois bem, nós conseguimos explorar um bocado de tudo. Ficamos hospedados no Brooklyn, depois Hoboken, Queens e por fim Journal Square. Graças ao Airbnb hoje em dia é muito mais fácil se hospedar em lugares bacanas e mais em conta, porque se os EUA é caro….NYC então! VIRGESANTA. (rs)

Bem, todos os locais eram fora de Manhattan. O que não quer dizer que não tenha conseguido aproveitar e MUITO tudo que Manhattan tem pra oferecer. Claro, saí de Nova York com a sensação de quero mais e que não me cansaria por um bom tempo se ficasse por lá alguns meses…hahaha

A cidade tem tudo que é preciso para se cair de amores logo de cara: muitos restaurantes, muitos museus, muita arquitetura….muito de tudo que eu gosto! Cada parte de Manhattan teu seu charme, e cada lugar fora de Manhattan também.

Então, o que posso dizer logo de cara é que a Nova York que a gente vê nas telas é muito maior do que Manhattan! Nossa, tem tanta coisa que eu tenho pra falar sobre Nova York que não sei nem por onde começar. hahaha

E também sei que não caberia num post só. Esse aqui é só o abre alas para uma série de posts que virão pela frente sobre tudo que vi e vivi por lá. Aguarde (e confie). Mas, você não vai sair desse post de mãos abanando…

Formas de agir como um nativo (ou não ser tããããão turista)
em Nova York

Nova York to topo do Empire State Building
Nova York to topo do Empire State Building

Pra início de conversa, vou deixar algumas “lições” que aprendi nesses dias que fiquei por lá. Um dos intuitos da viagem é viver um pouquinho em cada lugar e ver como é viver como um nativo.

Por isso, gosto de observar como os turistas e o nativos agem e conversar com que é de lá pra entender como não se comportar de forma errada, rude, ou até mesmo…ridícula. Então, cá estou com meu pequeno aprendizado. =)

Não seja mão de vaca nos museus

Como assim, Margot? Então, a maioria dos museus tem uma taxa que é uma recomendação do valor, a tal taxa de admissão, a ser paga pela entrada. Por exemplo, no MoMA a taxa recomendada é de $25.

A ideia é que o museu seja aberto a todos, mas quem pode pagar mais, paga. Então, ajude as instituições a manter a qualidade e a abertura para o público. Sempre que possível, pague a taxa sugerida. 😉

Vai valer a pena cada centavo gasto, vai por mim! <3 Mas, isso também não quer dizer que se você está com o dinheiro mais curto deve deixar de visitar o museu. Como eu disse, quem pode pagar mais cobre os custos para aqueles que não podem pagar tanto visitem o museu. Além disso, também tem formas de visitar alguns museus gratuitamente (em dias e horários específicos), mas deixo isso para outro post.

Esperar o sinal para atravessar a rua? Bem…

Sinal de pedestre piscando

O novaiorquino é ocupado por natureza, tá sempre correndo pra lá e pra cá. Parece que todo mundo tem sempre um compromisso urgente ou está atrasado…(rs)

Então, eles não esperam o sinal do pedestre para atravessar a rua. Se acham que dá tempo, eles vão atravessando mesmo. O que quer dizer que o sinal estar fechado não garante que você vai atravessar a rua em segurança.

Os motoristas de Nova York são tão apressados quanto os pedestres. Eu sou besta e espero o sinal fechar e olho pros dois lados da rua antes de atravessar. Mas se você quer agir como um nativo, vai lá estilo vida loka que tá tudo certo (rs).

Não pare no meio da calçada para tirar fotos ou olhar mapa

Aindo no quesito rua… Ok, você precisa ir para algum lugar ou viu um prédio lindão…vá para a parte de dentro da calçada e então abra o mapa ou pegue a câmera para fotografar o que quer. Parar no meio da calçada é algo que deixa os nova iorquinos bem irritados, afinal atrapalha bastante o fluxo das pessoas.

E, claro, denuncia logo de cara que você é turista. Você não precisa perder o clique ou se desesperar, precisou parar, vá para as margens da calçada (ou do lado do meio fio ou na parte de dentro) e deixe a meiuca livre pra quem tá com pressa.



Se alguém puxar assunto com você, converse!

Isso é bem bacana na cidade, e no país num geral. As pessoas puxam assunto com você na rua. E não é algo do tipo “Parece que vai chover” ou “Como tá cheia esse fila”. As pessoas vão perguntar de onde você é, o que está fazendo na cidade, etc.

E depois, quando chegar o ponto delas ou o sinal abrir, ou o café acabar, ou a rua bifurcar…cada um se despede e vai pro seu lado. Mas você vai conhecer muitas histórias bacanas se conversar com as pessoas. Então, deixe a timidez de lado e se alguém puxar assunto, acredite, essa pessoa quer conversar mesmo com você. =)

Não diga ao taxista onde vai antes de entrar no carro

Eu que sou carioca estou acostumada a dizer pro taxista onde vou antes de entrar, porque o cara pode acabar recusando me levar. Em NY é ilegal recusar levar alguém no táxi, o motorista não pode recusar corridas.

Então, se for pegar táxi é só entrar e não importa para onde você vai, o taxista vai te levar lá. 😉

Vai pro aeroporto? Você não precisa ir de táxi

A não ser que você esteja carregando 760907 malas, que provavelmente não vai ser o caso, você não precisa gastar dinheiro de táxi pra ir até o aeroporto. Eu atravessei a cidade inteira de um aeroporto pra outro (essa é uma história “engraçada” que fica pra depois) só de transporte público.

Na verdade, dá pra fazer tudo pela cidade de metrô e táxi é um luxo que você pode reservar pra quando estiver cansada depois de andar o dia todo pela cidade e só quer chegar em casa e capotar. (rs)

Mas pense assim: o dinheiro que você gastaria no táxi você pode gastar nos museus ou comendo em algum restaurante truco, etíope ou italiano. 😉

Use o Metro Card como um verdadeiro nova iorquino

E já que falei sobre transporte público…o metrô de NY é incrível! Ele vai pra todo canto e por isso é sempre cheio de pessoas, algumas estações são mais movimentadas que outras, como em toda cidade, mas qualquer uma vai ter gente.

E atrapalhar o fluxo de passageiros é a coisa mais chata que tem pra quem mora lá. Então, se você quiser andar pelo metrô de NY Like a Boss, aprenda a passar o Metro Card pela catraca sem erros…(rs)

Esse cartão é feito de papel e você pode comprar o de viagem única ou o que tem várias viagens. Acredite, vale a pena comprar um passe de dias…você vai usar muito!

Antes de tudo, tenha o cartão na mãe antes de chegar na catraca. Parar pra ficar procurando já na boca da catraca é o ó! Isso na verdade vale pra São Paulo também, principalmente na Sé, Pinheiros…

A face amarela do cartão deve estar virada pra você, ou seja, a tarjeta fica para o lado de fora. Segure firme o cartão e passe pelo leitor, não muito rápido. E pronto! Assim ninguém vai te olhar feio…e acredite, eles olham…(rs)

Dê boas gorjetas, sempre!

Isso vale não só pra NY, mas pros país todo. A maior parte do salário de quem trabalha em serviços é através das gorjetas. Então, dê gorjeta, se possível (e se bem atendido, claro), dê mais do que o sugerido.

Muitos garçons dependem quase que exclusivamente das gorjetas. Se alguém te atender muito mal (o que é bem difícil) aí você pode ser mais mão de vaca na gorjeta…rs

Acho que essas são as “lições” que tirei desse mais de um mês que ficamos por lá. Se você está planejando uma viagem para Nova York, como eu comentei, vai ter uma série de posts sobre lá. Desde de as hospedagens bacanérrimas em que fiquei, até os museus, os macetes pra se virar no metrô, PATH, ferry, etc.

Além das dicas de passeio e coisas bacanas que vi e descobri por lá.

Pra não perder nada (e tem coisa pra caramba vindo por aí),  você pode assinar o feed do blog na caixa que tem aqui na barra lateral, assim vai receber aviso por e-mail sempre que um post novo sair por aqui. Bom, né? Então, PRE-PA-RA pra conhecer Nova York. 😉




Quando minha vida saiu dos trilhos percebi que podia ir pra qualquer lugar. Virei mochileira depois dos 30 e criei o blog pra contar sobre essa aventura.

2 Comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.