Top 5

5 roubadas na América do Sul…que você vai acabar fazendo de qualquer jeito

Classificação

5 média baseada em 1 ratings

  • Excelente
    1
  • Muito Bom
    0
  • Médio
    0
  • Fraco
    0
  • Péssimo
    0

Roubadas na América do Sul: cinco armadilhas em que você vai acabar caindo

Pois é, chegar de viagem é aquela coisa: reencontrar os amigos e os familiares para conversar sobre as férias. À medida que você vai contando suas histórias e mostrando suas fotos, uma sensação de desconforto se torna visível no rosto de seus convidados: “como assim, você não foi à Machu Picchu?????”

Não adianta explicar que o lugar é caríssimo e abarrotado de turistas mal-educados; muito menos argumentar que há outros lugares até mesmo mais incríveis, como as linhas de Nazca: se você não visitou Machu Picchu, você não foi ao Peru.

Machu Picchu é uma daquelas roubadas que você acabará cometendo de qualquer forma, seja porque há uma pressão social impelindo você a visitar estes lugares, seja porque a sua própria consciência não se perguntará se não é um exagero ignorar o lugar.

Então, na dúvida, você vai, gasta muito mais do que o lugar realmente vale, é importunado por gente grosseira e gasta um dia inteiro de sua viagem em uma experiência que só vai lhe levar ao arrependimento. Principalmente se, no dia seguinte, você for a um lugar sensacional, onde gostaria de ficar DOIS dias – mas um já foi gasto na roubada.

Portanto, quando você for a um dos lugares abaixo, respire fundo e lembre-se: era inevitável.

Salvador: restaurantes do Mercado Municipal

Foto do elevador Lacerda e Mercado em salvador

Cantados em prosa e verso por turistas e músicos baianos, os restaurantes do Mercado Municipal são obrigatórios para uma experiência real da culinária baiana. Certo? Então você não conhece o ditado “quem cria fama, deita na cama”.

Quando visitamos os restaurantes (são dois, no último andar do prédio), eram feios, sujos e cada garçom nos disputava literalmente pelo braço. Escolhemos o restaurante em que a garçonete foi mais contida e nos frustramos com a qualidade da comida. No chão, bitucas de cigarro e tampinhas de garrafa de cerveja indicavam que a coisa era mais boteco do que restaurante.

Comemos e deixamos uma grana infinitamente superior ao que recebemos. E até agora, quando falamos que fomos à Salvador, já respondemos “sim” várias vezes à pergunta: “Foram à Salvador? Comeram no Mercado Municipal?”

Bogotá: Monserrate

Igreja em cima do cerro de Monserrate em Bogotá

Você está no centro de Bogotá e olha para cima: há uma igreja no alto daquele morro que parece proporcionar uma bela vista da cidade. Uma corrida de táxi até lá e… surpresa: sim, há uma bela vista da cidade – que você terá de disputar a cotoveladas com a horda de gente que teve a mesma ideia que você.

Talvez você queira comer, para passar o tempo? Esquece: há um corredor infinito de estandes de comida, cada um mais sujo que o outro, que desemboca em uma espécie de matagal onde há a vista para o outro lado da cidade.

A igreja tampouco tem valor arquitetônico: é uma construção comum dos anos 50.

Quito: Mitad del Mundo

O Equador tem esse nome por causa da linha que corta o mundo ao meio e há um monumento ao norte de Quito para simbolizar esta divisão – a Metade do Mundo!

Apesar do nome bombástico, o lugar é mais um shopping center a céu aberto – só que com lojas de artesanato nada interessantes. Há um planetário e um museu, que não justificam o trabalhão que é chegar até o lugar (ou a grana do táxi). E pior: há uma séria discussão sobre se a linha do Equador passa por lá realmente ou se na propriedade ao lado – que, por via das dúvidas, apregoa ser o lugar onde a linha do Equador passa de verdade.

Os dois lugares cobram entrada e, para atrair visitantes e competir com o “oficial”, o lugar que alega ser onde a linha realmente passa anuncia experiências interessantes para demonstrar as propriedades físicas da linha do Equador. Pelo sim, pelo não, fique com uma certeza: não vá a nenhum dos dois.

Cusco: Machu Picchu

Sim, o lugar é incrivelmente bonito e faz parte do folclore turístico mundial, mas ao se considerar todos os fatores que caracterizam uma armadilha para turistas, Machu Picchu cumpre com todos os requisitos: caro (só para chegar lá é preciso pegar um ônibus que custa 20 dólares por 20 minutos de viagem, depois de uma viagem de trem que sai por 335 dólares. Ou você pode ir andando pela trilha inca por 4 dias; informe-se em uma agência de viagem e pague!); lotado (1,2 milhão de turistas visitaram Machu Picchu em 2013; imagine a quantidade de gente tirando selfies e morrendo por causa disso); e com serviços ruins (com toda essa gente e por esse preço, você esperaria restaurantes decentes, certo?

Mas há apenas uma espelunca vendendo empanadas e outras coisas revoltantes a preços ainda mais exorbitantes). Vale muito mais a pena gastar 200 dólares e enfrentar a desorganização peruana para ver a linhas de Nazca – esta sim, uma experiência marcante.

Coro: Centro Histórico

Portal de entrada da cidade de Coro

Quem vai para Venezuela atualmente, não é verdade? E, no entanto, o país é lindíssimo, com praias incríveis, desertos lunares e uma gente bacana até não poder mais. Isso não quer dizer que a Venezuela não tenha sua cota de roubadas: para os endinheirados, pode ser Los Roques; para mochileiros, com certeza é a cidade histórica de Coro, quatro horas depois de Maracaibo.

Declarada Patrimônio Cultural da Humanidade pela Unesco, é difícil entender o motivo ao caminhar pelas ruas da cidade: sua arquitetura é comum e não há nada lá que não exista em outras cidades.

Adicione a isso o fato de que Coro está no deserto e, portanto, sempre falta água na cidade (o que está agravado pela crise venezuelana, visto que não há dinheiro nem mesmo para carros-pipa) e o veredito está dado: Coro é uma roubada de dimensão existencial.

Gostou do nosso top5 de hoje? Aproveite pra assinar a Newsletter da Diva e não perder nenhum post novo. =) s

Eduardo Furtado

Escritor, tradutor e viajante, autor do livro "Nos Trilhos dos Andes".

Você visitou recentemente ...

Homem olhando mapa

Top 5 em dobro: blogs de viagem bacanudos para conhecer

Vai para a América Central? Saiba o que beber

Mulher sentada no sofá pensativa

5 erros que cometemos nos deslocamentos da viagem

Foto da Bandeja Paisa, prato típico colombiano

5 coisas espetaculares para fazer na Colômbia…e outras para os fortes.

Vista da praça principal de São Cristóvão

5 lugares bem bacanas no Brasil que você provavelmente não foi…ainda

06 Comments

  1. Flavia

    Eduardo, vou ter que discordar do item…Bogotá- Monserrate ! Você não viu por lá os restaurantes Casa San Isidro e Santa Clara ? Você visitou o lado mais simples apenas, que realmente, lembra Aparecida do Norte! No lado oposto, existem esse dois restaurantes! Fomos o marido e eu ao San Isidro, comida espetacular, ambiente agradável e vista da cidade de perder o fôlego ao entardecer/anoitecer ! Sugiro uma nova visita para tirar a má impressão !
    https://www.tripadvisor.com.br/Restaurant_Review-g294074-d806967-Reviews-Casa_San_Isidro-Bogota.html#photos;geo=294074&detail=806967&ff=251694443&albumViewMode=hero&albumid=103&baseMediaId=251694443&thumbnailMinWidth=50&cnt=30&offset=-1&filter=7

    4 de maio de 2017 Responder
    • Margareth Furtado

      Oi, Flavia. =)
      Obrigada pelo comentário. Realmente não fomos pro outro lado, por isso nossa impressão ficou só do que vimos mesmo.
      Mas quando tivermos oportunidade de visitar Bogotá de novo darei mais uma chance ao Monserrate. 😉

      Bjs

      4 de maio de 2017 Responder
  2. Márcio Araújo

    Em Bogotá, no Monserrate, se você for logo que abrir, não pegará fila alguma para subir o funicular e só os guardas de segurança estarão lá em cima. Pontos turísticos de sábado e domingo são furadas, que nem entrar num táxi sem saber antes quanto vai dar.

    24 de maio de 2017 Responder
    • Margareth Furtado

      Quando voltar em Bogotá, com certeza voltarei porque adorei a cidade, tentarei dar mais uma chance ao Monserrate. =)

      26 de junho de 2017 Responder
  3. Rafael Borges

    Das 5 roubadas só fui em duas. O restaurante do Mercado Modelo eu só entrei para tirar fotos da vista, não encontrei esse lugar sujo como você descreveu e ninguém ficou disputando minha carteira, pelo contrário, me deixarem entrar de boa e tirar fotos da sacada tranquilamente. Em Machu Picchu também não tive a experiência que você descreveu… paguei bem menos no trem, porque emendei em um outro passeio que já levava a boa parte do caminho, e não tinha tantos turistas assim a ponto de incomodar. Talvez vocês não tenham se programado direito ou foram em dias ruins…

    7 de julho de 2017 Responder
    • Margot

      Oi, Rafael. =)
      Faz muito tempo que você passou pelo Mercado Modelo? Será que mudou muito…? Do Machu Picchu eu vi que desde de 1 de julho o governo colocou algumas restrições pra tentar preservar melhor o parque. Eles recebem diariamente 5000 pessoas. Depois vi que o ano em que estivemos lá, foi recorde de visitas..rs Quando chegamos estava bem cheio, mas ficamos por lá o resto do dia, e durante a tarde já estava bem mais tranquilo. Acho que não já não é muito a época que faz diferença, talvez seja mais do horário do dia mesmo. Bem, agora tudo pode mudar, com as novas restrições. O que é bom, pois o parque precisa ser preservado, né? Sobre o trem, quaanto você pagou, você lembra? Como foi esse passeio que você fez? Fiquei curiosa. =)

      10 de julho de 2017 Responder

LEAVE A COMMENT

DivaDeMochila

No Diva de Mochila você acompanha a viagem de volta ao mundo de uma carioca-paulista que virou mochileira depois dos 30. Bem-vindo (a) ao blog!

%d blogueiros gostam disto: