Cali, a cidade mais legal da Colômbia! E a menos visitada…
Colômbia Dicas

Cali, a cidade mais legal da Colômbia! E a menos visitada…

Rating Chart

5 average based on 3 ratings

  • Excellent
    3
  • Very Good
    0
  • Average
    0
  • Poor
    0
  • Terrible
    0

Cali, os cartéis e a salsa

Cali é a cidade da salsa! Se você quer aprender a dançar, é lá que você deve ir. Mas esse não era bem o nosso caso…rs Nós entramos na Colômbia por Ipiales e de lá pegamos um ônibus que durou umas 8h até chegar em Cali.

Você provavelmente já ouvir falar do Cartel de Cali e do Cartel de Medellín, certo? Então, essa é a cidade onde um dos maiores cartéis de droga do país estava. E visitando hoje em dia, simplesmente não parece. Não há nada que tenha me deixado insegura lá.

No entanto, levaram o celular do Edu num assalto de rua. E mesmo assim se você me perguntar: Gostou de Cali? Eu respondo: É minha cidade favorita na Colômbia! É minha cidade favorita no mundo, pelo menos até agora…rs

Cali é a cidade da salsa. Mesmo assim, se você não souber onde ir, nem diria que a salsa está por lá. Nós perambulamos por alguns bairros e até vi casas e escolas de dança, mas não é aquela coisa que você vai ver mesmo que não queira.

Eu até dançaria, mas não rolou…fica pra próxima. rs

O que faz Cali ser tão bacana?

O que me encantou muito na cidade é a parte cultural. Eles têm uma vida agitada em música, artes, dança e tudo mais ligado a arte. Em todo lugar tem um café, um lugar passando filmes alterantivos, ou com shows mais intimista.

Ficamos hospedados em San Antonio, um bairro super chamosinho, com casas mais antigas, todas coloridas, muita arte pelas ruas, vários hostels, cafés, restaurantes. Incrível. E dá pra fazer tudo a pé no bairro.

Bem na rua debaixo de onde estávamos tinha um café super charmoso e nas noites de terça-feira passavam filmes lá. Uma salinha de cinema no fundo do café. Vimos “O filho da noiva” com o Darín.

Adoro o Darín, pra mim ele é o melhor “galã feio” do mundo todo. <3

Em San Antonio as opções de alimentação, entretenimento e hospedagem são diversas. Existem muitos hostels, inclusive lavei roupa em um deles. Nós optamos por um Airbnb muito bacana que ficava numa rua super tranquila.

Em geral o bairro é tranquilo. À noite rolava um pouco mais de agito, mas era bem calmo e conseguimos dormir muito bem. San Antonio tem um clima gostoso e passou por uma revitalização nos últimos anos. A cada esquina e cantinho tem uma casa colorida, um hostel charmoso, um restaurante descolado. É o lugar ideal pra se hospedar.

Almoçamos num restaurante com umas criações ótimas, o Zumaia e fica na Carrera 6. E o café onde tem o cinema é o a Macondo, fica na Carrera 6 com Calle 3. E sim, o nome é referência ao “Cem Anos de Solidão” do Gabriel Garcia Márquez. Também almoçamos um crepe super gostoso no Espacio Interferencia que fica na Calle 3 também. Esse espaço é restaurante+galeria e no andar de cima tinha uma exposição de fotografia.

E esse são só alguns. Dá pra passar uma semana inteira em San Antonio sem repetir restaurante nem no almoço e nem no jantar! <3

O bairro de Granada

Nós não ficamos só em San Antonio. Muito próximo, em uma caminhada de uns 20 minutos, dá pra chegar no bairro de Granada. Essa é uma parte mais chiquetosa da cidade.

Lá existem pencas e mais pencas de bares e restaurantes. Tem os mais simples e mais acessíveis e tem os mais caros e claro, aqueles que têm cara de armadilha de turista. rs

Nós acabamos assistindo dois jogos das eliminatórias da Copa num bar lá em Cali: o Bourboun Street. Que depois descobri que tem pela Colômbia toda. O primeiro jogo que vimos foi Colômbia e Uruguai. Fomos pé quente. O segundo foi Colômbia e Brasil, fomos pé quente de novo…só que dessa vez, pro Brasil. rs

O lugar é bacana, aquele clima meio pub americanizado, mas com cerveja gelada e uma porção de allitas (asas de frango) fritas deeeeeeeeeeeeeeeesse tamanho…hummmmmm!!!

Mas nem só de cerveja e futebol vive o homem. Ainda mais um que é casado com uma diva!!! Quando estávamos no Macondo vi um panfleto de uma mostra de filmes documentários. Era a segunda edição do festival e tinham muitas opções de filmes de todos os países.

Ia rolar em Cali, Medellín e Cartagena. Acabamos escolhendo um e fomos lá assistir. O lugar era uma galeria de arte em Granada. A mostra era gratuita e escolhemos um documentário que mostrava a Marinha Boliviana. A questão é que na Bolívia não tem mar, mas sim, eles mantém uma Marinha.

Achei interessante, mas parece que a diretora deu um certo tom de humor em algumas partes do filme. Claro que por si só um país sem mar ter Marinha é risível, mas perde um pouco a credibilidade do documentário essas questões. Enfim.

Granada é outra ótima opção pra comer, beber e explorar esses lugares mais artísticos. =)

Las Tres Cruces e o Cristo Rey

Sabia que em Cali existe uma estátua do Cristo maior que a nossa? 12 metros maior. Parece pouco, mas 12 metros dá diferença…hahaha

Enquanto se anda pela cidade dá pra fazer num morro láááááá no alto, três cruzes que ficam todas iluminadas. Então, um dia pegamos um táxi e pedimos para ir até as Tres Cruces. O taxista era muito gente boa e nós fizemos um pequeno tour pela cidade.

Começamos por uma praça onde tem o monumento do Sebastián de Belalcázar, esse sujeito era um conquistador espanhol que se juntou à expedição contra o Império Inca e foi um dos fundadores da cidade de Quito. Perguntei o porquê daquele monumento estar bem ali em Cali, mas o rapaz não soube dizer muito e também não tinha nenhuma placa explicando melhor.

De lá seguimos para o Cristo Rey. A estátua fica num morro onde há uma vista bem bonita, mas para chegar lá, passamos por umas quebradas que o taxista disse que ir sozinho mais no fim da tarde já não e aconselhável.

Na entrada do Cristo têm várias barraquinhas e comida e se estiver calor, vale experimentar a raspadinha deles..rs A visão panorâmica da cidade vale a visita. Pagamos uma taxa pequenina pra entrar, praticamente simbólica. =)

Mas, vista bacana mesmo é no Cerro Tres Cruces. E foi lá que encerramos esse dia de passeio. Assim como para o Cristo Rey, chegar lá é passar por alguns lugares mais pobres. Nesse caso, bem pobres e em ruas sem asfalto. O que dificulta a locomoção em dia de chuva, como era o caso.

Lá em cima do morro, existe o monumento das Tres Cruces, uma estação da polícia e as antenas de telecomunicações. Em épocas religiosas as pessoas fazem peregrinação até lá em cima. Ou como forma de pagar promessas também.

São duas visões distintas e as duas muito bacanas. Valeu visitar tanto o Cristo Rey, como as Tres Cruces. Mas fique atento em ir de dia e com alguém que conheça, pra não dar sorte pro azar.

Anda existem muitas outras coisas em Cali: Iglesia la Ermita, Puente Ortiz e muito mais. Cali é uma cidade pra desgustar com calma. E com certeza eu voltarei lá no futuro para desgustar ainda mais. 😉

Próxima parada: Medellín.

Cidade histórica

Hotel

Gastronomia

Photos

    Margot

    Quando minha vida saiu dos trilhos percebi que podia ir pra qualquer lugar. Virei mochileira depois dos 30 e criei o blog pra contar sobre essa aventura.

    You Recently Viewed ...

    Prédio da Catedral no Centro Histórico de Bogotá

    Bogotá e as surpresas que a cidade dá

    Visão panorâmica de Barranquilla

    Barranquilla, a cidade da Shakira.

    Esculturas nas ruas do Centro Histórico de Cartagena

    Cartagena: o charme e as desventuras da cidade colombiana.

    Vista do terraço do Airbnb em Medellín

    Medellín, a cidade favorita dos colombianos.

    Santuário de Las Lajas na Colômbia

    O Santuário de Las Lajas em Ipiales

    • Yriz Soares

      Agora animei dar uma esticada em Cali hein?! Valeu Diva, mais um post sucesso!!!
      #cadeodivanacozinha

      • Nossa, Cali merece uma esticada. Merece até mais! rs
        Menina…estou já com umas 12 receitas engatilhadas, só esperando conseguir organizar as fotos pra publicar. o/

        • Yriz Soares

          Eu não te deixo em paz com esse projeto até ele sair!! #divanacozinha4ever kkkkkk

    DivaDeMochila

    No Diva de Mochila você acompanha a viagem de volta ao mundo de uma carioca-paulista que virou mochileira depois dos 30. Bem-vindo (a) ao blog!

    Lá no Instagram